Introdução precoce nos esportes tem aumentado lesões e traumas em crianças

Saúde e Estética

A introdução cada vez mais precoce das crianças nos esportes de competição é a principal causa de lesões e traumas, levando a um aumento na incidência de consultas decorrentes de machucaduras esportivas em pacientes que se encontram em fase de amadurecimento esquelético. Mais vulneráveis a algumas delas, as crianças e os adolescentes podem sofrer com a sobrecarga repetitiva nas articulações e musculatura em desenvolvimento podem gerar danos em regiões de origem ou inserção muscular e até mesmo nas zonas de crescimento ósseo, especialmente dos joelhos, quadris, cotovelos e punhos.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, regional Mato Grosso (SBOT-MT), Dr. Vitor Spalatti, independentemente da idade, os praticantes de atividades físicas estão suscetíveis a uma série de agravos, seja por esforços excessivos ou até mesmo pela prática errônea, sem auxílio profissional. “Algumas lesões são específicas de um esqueleto ainda imaturo, das crianças ainda em fase de desenvolvimento. Sendo as fraturas do punho e mãos as mais comuns e o dedo mínimo o mais impactado em todas as faixas etárias”, detalha o médico ortopedista.

Os ossos infantis possuem algumas características que os diferem do esqueleto adulto, como o aspecto de maior elasticidade e porosidade, periósteo (membrana que envolve o osso) mais resistente e presença das cartilagens de crescimento (local onde o osso cresce).

A cartilagem de crescimento, também conhecida como placa epifisária ou fise, é uma estrutura presente nas extremidades dos ossos longos, sendo seus arredores uma zona de fragilidade, na qual a maioria das fraturas das crianças acontece. Esse é o motivo pelo qual as lesões e traumas ocorridas durante atividades esportivas despontam como a segunda principal causa de visitas em atendimentos de emergência para crianças e adolescentes.

“É importante ficar alerta e buscar um médico especialista, pois muitos pacientes e médicos deixam de realizar o tratamento correto para as fraturas dessa região na expectativa de que o crescimento possa corrigir as possíveis deformidades”, finaliza Dr. Vitor.

Em caso de dores, quedas ou lesões, a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia orienta a busca por um médico ortopedista titular SBOT. A instituição é responsável por congregar especialistas em Ortopedia e Traumatologia, promovendo responsabilidade e condições para atualização permanente dos profissionais.

Localize um ortopedista SBOT no site oficial da sociedade: www.sbotmt.org.br